Política

Com vacinação sem chegar nem a 50% da primeira dose, ministro da Saúde afirma que todos estarão vacinados no final do ano

Com a primeira dose, o país tem um total até noite de domingo de pouco mais de 47% e menos de 20% com as duas doses ou com o imunizante de dose única.

Com vídeo IGTV instagram @portaltribunane . Veja o link https://www.instagram.com/tv/CSE1LhCH9mp/?utm_source=ig_web_copy_link

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, demonstrou otimismo nesta segunda-feira, 2, durante entregas de equipamentos de saúde em Petrolina no sertão. Queiroga registrou que o Ministério da Saúde se prepara para encerrar a vacinação da população adulta até o final do ano e pretende iniciar em setembro a imunização de todos os adolescente brasileiros.

 

“Nossa distribuição tem mantido um calendário de rotina que permitira que já agora em setembro iniciemos a imunização dos adolescentes e ter toda a população adulta imunizada até o fim do ano”, declarou o ministro em seu discurso num tom bastante otimista, pois os números refletem um ritmo diferente do que esperado por Queiroga.

O Programa Nacional de Imunização não aponta nem metade dos brasileiros vacinados com primeira dose. Esse percentual está em pouco mais de 47%. Totalmente imunizados são menos de 20% que tomaram as duas doses ou a vacina de dose única, segundo dados das secretarias estaduais de Saúde e do consórcio de imprensa atualizado até a noite deste domingo, 1 de agosto.

ADOLESCENTES – Até o momento, apenas a vacina da Pfizer tem autorização para uso em pessoas de 12 a 17 anos no Brasil. Em 30 de julho, o Butantã solicitou autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), para vacinar do 3 os 17 anos, mas sem resposta ainda.

Outras marcas de imunizantes autorizados no país, ainda não tiveram o sinal positivo da agência reguladora para iniciar vacinar os menores.

VALORIZAÇÃO DO SUS – Em seu discurso, Marcelo Queiroga reafirmou a importância do Sistema Único de Saúde (SUS) no combate à pandemia e foi solidário ao presidente Jair Bolsonaro que sempre colocou a economia na escala de importância maior para o governo.

“O direito à saúde é um direito fundamental, mas também o direito das pessoas ganharem o pão de cada dia, também deve ser garantido. Portanto, estou muito animado e feliz pelo reconhecimento que o SUS teve, refletidos em investimentos no sistema”, registrou o ministro Marcelo Queiroga que encerrou seu discurso assim fazendo um agrado local:

“Deus abençoou com sua mão divina e pra não morrer de saudade, vou voltar pra Petrolina”. Trecho da música Petrolina-Juazeiro, de Jorge de Altinho, cantor e compositor pernambucano. A canção é uma espécie de hino popular das duas cidades.

Confira no vídeo abaixo a fala e o momento do ministro com a imprensa em Petrolina. Transmissão deito ao vivo pelo canal do IGTV do instagram do Portal Tribuna Nordeste (instagram.com/portaltribunane)

 

 

 

Portal Tribuna NE

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar